21 de jan de 2010

Rede Feminista de Saúde em ação solidária na República Dominicana em prol do Haiti

A Rede Nacional Feminista de Saúde está integrada ao movimento feminista internacional instalado em base binacional na fronteira entre a República Dominicana e o Haiti, numa ação de solidariedade ao povo haitiano.

A jornalista e cientista política Telia Negrão (foto), secretária executiva da Entidade e integrante do Conselho consultivo da Rede de Saúde das Mulheres Latinoamericanas e do Caribe, está desde sábado, 23/01, em Santo Domingo, capital e maior cidade da República Dominicana, para construir, junto com outras feministas, estratégias de apoio às mulheres hatianas.

Ela vem participando de reuniões da Campanha 28 de Setembro para a Descriminalização do Aborto na América Latina e Caribe. A agenda de Santo Domingo também comporta o encontro sobre a Solidariedade Internacional ao Haiti voltada para a implantação e inauguração do acampamento de solidariedade feminista internacional de comunicação Myrian Merlet.

O nome do acampamento de solidariedade é uma homenagem à Myrian Merlet, ativista feminista haitiana e ex-Chefe de Gabinete da Ministra da Mulher do Haiti, que morreu quando sua casa desabou após o terremoto.

UM CENTRO DE INFORMAÇÃO - Desde segunda-feira,18/01, a Rede Feminista de Saúde tem mantido contato com ativistas do movimento feminista dominicano, liderado por Sergia Galván, diretora executiva da ong Coletivo Mulher e Saúde da República Dominicana e fundadora da Rede de Mulheres Afrodescendentes da América Latina e Caribe, com intuito de fortalecer a rede de apoio internacional à reconstrução do Haiti, e em especial às mulheres haitianas.

A representante da Rede vem apresentando propostas para o desenvolvimento de estratégias para a efetiva concretização do acampamento feminista internacional de comunicação que está instalado em Jimani, uma pequena cidade da fronteira que serve como centro de comércio entre os dois países. Este acampamento terá uma rádio e um centro de informação feminista de solidariedade pró Haiti. Além de um memorial e serviços.

Esta ação vem sendo desenvolvida pela equipe da Rádio Internacional Feminista. O principal objetivo desse acampamento será buscar rearticulação do movimento de mulheres e feministas do Haiti, bem como de suas organizações, já que grande parte das lideranças morreu no terremoto e suas entidades vieram abaixo. Esta estrutura de comunicação feminista visará:
  • Contribuir para desenvolver uma informação e comunicação mais fiel à realidade dos acontecimentos, do protagonismo da população e, em especial, das mulheres do Haiti;
  • Contribuir para abrir canais de comunicação para que as mulheres e suas comunidades tenham voz sem sofrer censura e manipulação, podendo expressar a partir de sua dor, busca de sobrevivência o acesso à informação sobre os mínimos serviços que surgirem;
  • Contribuir para fazer uma ponte informativa com infraestrutura logística mínima para que as jornalistas e comunicadoras possam realizar seus trabalhos próximos ao Haiti e ser uma referência de noticias, informações para os meios de comunicação do mundo.

OUTRAS PREOCUPAÇÕES - Além do acampamento feminista internacional, a reunião também vem abordando a situação dos fundos internacionais de cooperação financeira voltado para as mulheres com intuito de fortalecer a reconstrução daquele País, bem como para o enfrentamento das situações específicas das mulheres do Haiti, muitas já vítimas de violência e abusos sexuais.

O encontro em Santo Domingo, segundo Telia Negrão, busca identificar fontes de recursos voltados para a saúde das haitianas. “Mesmo com este quadro trágico, as mulheres continuam gestando e tendo seus filhos em situações precárias”, acentuou a jornalista que, durante a semana de permanência na República Dominicana, comporará a equipe do centro de informação do acampamento internacional feminista.

Nenhum comentário: